27.10.17

Aquele post de dia das bruxas: Together

 TOGETHER
Yoo minhas raposinhas sensuais, tudo melzinho na chupeta!? Comigo anda tudo de boinhas, o post de hoje está sendo escrito no dia 12 de outubro, porém não será um post sobre o dia das crianças, mas sim, sobre o halloween (???), como sempre tudo fazendo muito sentido nessas terras surtadas. Enfim, minha vida anda a mesma de sempre, e meu dia das crianças até agora (13:14 hrs) foi tranquilaço, e sim, eu ganhei presentinhos de dia das crianças, afinal eu sou uma pequena menininha de 21 anos que merece presentinhos u-u (sinceramente não sei se fico feliz ou se sinto vergonha de mim mesma). Como sempre o dia de hoje começou chovendo, já que todos os dias das crianças são sempre chuvosos aqui onde eu moro (acho que só teve dois ou três dias das crianças que foram ensolarados, o restante tudo com tempo nublado e chuva), e nesse ano houve mó temporal na minha cidade, eu cheguei a acordar de susto no meio da noite com os trovões!  Enfim, mas deixando tudo isso de lado, hoje eu trago boas notícias para vocês: Nesse post não haverá surtos com purpurinas shoujos, shipps sofrência ou macho 2d, hoje é aquele post que eu dou uma folga para as alminhas de vocês, é o dia em que suas pessoinhas encontram a tão esperada liberdade! Pois, hoje é dia do projeto TOGETHER


Pois bem, a temática escolhida no Together para o mês de outubro é "Uma história tenebrosa", ou seja, a partir de um roteiro (vulgo perguntinhas) feito pela Shana, o pessoal tem que montar uma história de dia das bruxas! Porém, ao invés de fazer o texto corrido eu vou colocar junto as perguntinhas para vocês se situarem melhor no que está acontecendo.

Play list marotex pra dar aquele climão -www-


*Você está com um grupo de amigos, e eles resolvem visitar um local ~assombrado~. Onde eles querem te levar?

Eis que numa noite de tempo fechado em uma cidadezinha do interior do Rio Grande do Sul, meus amigos (sim, até eu tenho amigos 3d ok!) resolvem me convidar para dar uns rolés num ritual satânico que ocorreria na cidade, o evento pertencia a maçonaria da região, e como um dos meus amigos fazia parte da sociedade, ele acabou nos convidando para o "evento", no qual estendia o seu convite as pessoas de confiança daqueles que participavam da maçonaria. Portanto, esse amigo resolveu me convidar juntamente com outros dois amigos que tínhamos em comum.

*Ok, o local foi definido - mas e aí, qual a sua reação? Você vai?

Recusei o pedido, simples assim *FIM*.......... Ok, por mais que eu quisesse recusar (afinal, pra quê sair de casa para ver ritual satânico enquanto eu poderia estar no quentinho da minha casa aproveitando várias purpurinas shoujo, não é mesmo!?), as histórias só continuam porque há um protagonista trouxa que para de raciocinar nesses momentos e topa virar oferenda de zumbi, demônio, bruxa [insira aqui qualquer ser gótico trevoso]. Então sim, eu topei ir.

*Seus amigos são sacanas e já tinham decido te arrastar independente da sua vontade. Como é o trajeto?

Enfim, depois que todos concordaram em ir, uma vez que eu seria arrastada de qualquer jeito, pegamos o carro desse meu amigo maçônico e saímos da cidade. Após percorrermos 15 km de rodovia, entramos em um acostamento a nossa direita que comunicava-se com uma estradinha de chão muito estreita e sem nenhum tipo de iluminação. A partir dali foram percorridos mais 10 km nessa estrada de chão batido, onde a nossa direita havia uma plantação de soja e a esquerda um matagal. Entretanto, a medida que íamos avançando, fomos sentindo um cheiro muito forte de carniça, ao mesmo tempo fomos avistando numerosos espantalhos na plantação de soja, eles estavam organizados em fileiras e iam aumentando em quantidade a medida que andávamos pela estrada. E quanto mais andávamos, mais espantalhos víamos, e quanto mais espantalhos víamos, mais forte o cheiro de carniça ficava. Até que num dado momento o tempo começou a se abrir levemente, e assim que a lua apareceu percebemos que todos aqueles espantalhos não passavam de corpos cravados em estacas...

Quando eu percebi que os espantalhos eram corpos meu corpo petrificou de medo, eu não conseguia acreditar que aquilo era real, que ninguém havia visto aquilo e reportado para a polícia, fiquei num estado de choque até os quilômetros finais do trajeto. Porém, assim que consegui recobrar os sentidos, falei para meus amigos que seria melhor voltarmos e chamarmos a polícia, entretanto a única resposta que eu obtive foi um sorriso dos três e o meu amigo maçônico dizendo "chegamos"...

*Ok, parece bom. Chegando lá, ninguém quer entrar no local ~assombrado~, e resolvem tirar no palitinho. Quem foi o escolhido? Claro que é você! E agora?

Para entrar no lugar era necessário passar por uma ponte de madeira, no qual conectava a estrada de terra com o ponto de encontro maçônico... Entretanto, estava tudo muito estranho, meus amigos passaram por aquela pilha de corpos como se fosse a coisa mais normal do mundo, mas na hora de entrar no local onde ocorreria o ritual todos se amedrontaram, principalmente meu amigo maçônico que há um minuto atrás estava sorrindo tranquilamente dizendo que havíamos chegado. Apesar do comportamento estranho dos meus amigos, eu resolvi me compadecer com o medo deles e fazer as coisas do jeito que eles queriam, portanto eles decidiram tirar a sorte no palitinho.... Obviamente eu fui a escolhida nos palitinhos, afinal é uma lei universal o protagonista ter amigos filhos da puta que metem ele num lugar abandonado e o mandam na frente para arriscar a sua vida por qualquer mínimo perigo que apareça! Portanto, eu peguei o palitinho e segui em frente...

*Bom, você é o protagonista, etão independente da pergunta anterior, você adentra o local ~assombrado~. Quais são as primeiras 3 coisas que você vê?

Assim que eu entrei na área que seria o ritual, a primeira coisa que avistei foi uma espécie de pentagrama / círculo / qualquer-coisa-demôníaca-que-sirva-para-invocar-algo feito de sangue, ao centro desse círculo haviam pilhas de corpos de adultos, crianças e bebês. A segunda coisa que eu observei foi uma enorme cruz invertida com o crânio de bode cravada nela (ela estava um pouco atrás do círculo) e ao fundo de tudo isso havia a plantação de soja. Obviamente quando eu vi a quantidade de sangue e corpos eu entrei em desespero e tentei fugir de lá, assim que eu comecei a correr ouvi um barulho forte vindo da direção onde estava a ponte, entretanto quando eu cheguei lá a ponte estava arrebentada, impedindo que eu saísse daquele lugar. E logo atrás de mim vieram meus amigos, diga-se de passagem numa estranha calma, pedindo para que eu voltasse.... Mais nada fazia sentindo ali, mesmo com a cena macabra nenhum de meus amigos se assustou, estavam todos calmos, como se já estivessem acostumados a presenciar esse tipo de cena... Eu só queria sair dali o mais rápido possível....

*Hm, é, ok. E aí, é ~assombrado~ mesmo?

~PORRA MERMÃO CORPOS DE CRIANCINHAS E BEBÊS NUMA POÇA DE SANGUE, NO MEIO DE UM PENTAGRAMA E EM FRENTE DE UMA CRUZ INVERTIDA COM A CABEÇA DE UM BODE, SE ISSO NÃO É ASSOMBRADO ENTÃO REVEJA OS SEUS CONCEITOS! (ok, pode ter sido apenas uma espécie de crime muito macabro, mas ainda assim tá valendo)~

*Tá. Bom, de qualquer maneira, você precisa explorar um pouco mais. Ah é, seus amigos te obrigaram a fazer uma aposta! Qual era a aposta?

Ôooo meu senhor, eu mal explorei e já me deparei com uma chacina, que diabos cês querem que eu explore mais!?..... Ok, vamos lá então: Como eu percebi que não poderia sair facilmente de lá, pelo menos pelo caminho de onde eu vim, só havia uma única escolha: Seguir em frente, e pelo visto era justamente isso que meus amigos queriam, pois ao invés de me impedirem como anteriormente, eles apenas ficaram parados me olhando, como se me dissessem para ir em frente. Entretanto, antes de eu partir, eles por algum motivo resolveram fazer uma aposta comigo (obviamente para me ferrar, porque protagonista bom é protagonista tomando no meio do rabo!). Enfim, a nossa aposta foi a seguinte: Se após toda a exploração e futuras coisas que eu viria a encontrar, eu permanecesse como "um ser egoísta", então eu perderia, mas se eu me tornasse "um ser solidário" então eu venceria a nossa aposta... Por mais estranho que essa aposta fosse, eu não tinha escolha senão aceitá-la, tudo já estava estranho demais, portanto essa aposta foi o de menos. Porém, o que mais me incomodava não eram os corpos, nem o cheiro forte de carniça, ou sangue esparramado, mas sim, o fato dos meus amigos estarem muito tranquilos, muito acostumados, como se soubessem o que estava acontecendo ali....

*Ok, missão definida, você está desbravando o local. O que está acontecendo?

O cara q gritou!
Depois que definimos a nossa aposta, eu fui em direção a plantação de soja, no qual cortando ela havia um pequeno caminho de chão batido que levava até uma cabana abandonada, onde atrás dela havia uma estrada de terra e um carro bastante antigo. Aparentemente parecia que esse carro ainda funcionava, portanto fui olhar ele mais de perto. Assim que cheguei no carro percebi que ele estava destrancado, entretanto como felicidade de pobre dura pouco, eu também notei que ele estava sem chaves (lógico, em que história de terror a pessoa consegue as coisas assim tão fácil, não é mesmo!?). Era óbvio que eu teria que entrar na cabana abandonada para procurar pelas chaves e lógico que eu me depararia com mais outra coisa macabra... Dito e feito! Assim que eu entrei na velha cabana, me deparei com uma pessoa (homem) extremamente magra, acorrentada pelos braços e de olhos vendados. O seu corpo estava repleto de estacas cravadas, principalmente pelos braços e pernas, e logo quando eu cheguei ela começou a berrar "ELES VIRÃO, EU NÃO QUERO QUE ELES VENHAM, SAIA DAQUI, SAIA DAQUI, VOCÊ JÁ É UM DELES....".......

*Ei. Você ouviu isso?

PORRA TEM UM HOMEM GRITANDO AQUI, EU ACHO QUE TÔ OUVINDO MUITO BEM!?....

*Ufa. Era só a sola do meu sapato fazendo barulhinho. Continuemos. A propósito, você não está mais sozinho. Fique atento.

Shana..... Eu juro que eu ainda vou te colocar como oferenda nesse ritual satânico!... É, eu sei... PORQUE TEM A PORRA DE UM HOMEM GRITANDO IGUAL UM CONDENADO AQUI!... Enfim, mas como essa história é para ferrar a protagonista, lógico que teria mais alguém vindo, não é mesmo!?..... Após o homem cessar os seus gritos, eu comecei a ouvir barulho de passos, aliás, passos muito pesados e fortes, que estavam vindo em direção a cabana. Portanto, eu resolvi me esconder de baixo de uma cama que estava no canto da casa...

*Você provavelmente tinha algum instrumento com você. Se for uma lanterna, ela vai cair num buraco. Se for um celular, vai acabar a bateria. O que você vai fazer agora?

Assim que eu me escondi de baixo da cama, o som de passos se tornou muito alto e uma sombra apareceu por baixo da porta, nisso eu acabei me assustando e o celular que estava no meu bolso caiu nos vãos do chão de madeira, parando numa espécie de porão da casa.... Após isso, o som dos passos foram diminuindo, portanto concluí que o que quer que fosse, já estava se afastando da casa. Nisso, aproveitei para sair da cabana e fui para a parte de trás onde havia uma pequena portinha que dava para o porão da velha residência. Entretanto, ao invés de ser um porão normal, era na verdade uma espécie de túnel, e como eu não conseguia encontrar o meu celular, segui em frente na esperança de achá-lo ou de conseguir uma saída daquele lugar. Afinal, entre um túnel desabitado e procurar por uma chave de carro numa casa abandonada com um desgraçado surtando e outro ser  misterioso rondando a região, eu acabei preferindo a opção do túnel!

* Você acaba de se dar conta de que está perdido no local e não consegue mais ouvir seus amigos. Qual a primeira coisa que te passa pela cabeça?

Depois de muito tempo percorrendo aquele longo túnel, tanto tempo que não pude nem contabilizar direito, eu avistei uma saída, sendo assim me apresso para chegar nela, pois eu acreditava ser a saída daquele lugar. Entretanto, assim que saí do túnel, me deparei com um enorme cemitério.... Esse cemitério era tão grande que não era possível ver a sua saída, era um verdadeiro labirinto. Ali eu percebi que estava completamente perdida, sem conseguir ouvir os meus amigos, sem saber onde eu estava.... Eu não sabia o que fazer, nada se passava na minha cabeça, eu estava cheia de perguntas, estava confusa, não conseguia pensar em mais nada....

*Tem algo atrás de você. Mas você não pode ver. E agora?

Assim que eu cheguei no cemitério, ouvi novamente os mesmos passos pesados de quando eu estava na cabana, nisso ouvi um grito grave e me virei para trás assustada. Porém, estava tudo escuro, eu não enxergava nada atrás de mim, portanto sai correndo tentando encontrar uma saída...

*Parece um plano. Continue assim. Enquanto isso, você percebe que está cada vez mais escuro. O que você faz?

Não minha querida Shana... Isso definitivamente não é um plano, É APENAS O MEU DESESPERO TENTANDO NÃO SER MORTA, OK!.... Enfim.... A medida que eu fui correndo, foi escurecendo, não haviam postes, lamparinas, lanternas, nada que pudesse fazer luz, até a lua estava escondida atrás das nuvens. Eu já não conseguia ver mais nada, portanto resolvi me esconder atrás de um túmulo, na esperança que a "coisa" que estava me perseguindo fosse embora, afinal se eu não enxergava nada, era provável que o meu perseguidor também não estava vendo nada, portanto bastava eu ficar quieta num canto sem fazer barulho....

*Tem algo aqui. O que é?

Assim que os paços pararam eu saí do meu esconderijo e continuei andando, porém me deparei com o meu perseguidor. Eu não sei descrever o seu físico, na verdade eu não sabia o que era aquela "coisa".... Parecia um humano malformado, mutilado, cheio de retalhos pelo corpo, haviam pregos cravados em todo o seu corpo: Nos membros, na coluna, face... Ao mesmo tempo, as partes que compunham o seu corpo, não pareciam ser dele mesmo, pareciam ser um monte de pedaços de pessoas diferentes, no qual foram unidas em retalhos para criar aquele ser....

*Certo. Qual o seu plano pra se livrar disso?

Quando eu me deparei com aquela "coisa" comecei a correr imediatamente, pois enfrentá-lo não era uma opção, uma vez que ele era enorme e eu não teria condições de lutar contra ele. Portanto, resolvi correr em direção as grades do cemitério na esperança de escalar e pular elas para fugir daquele monstro...

*Você não conseguiu se livrar disso. Agora, está ouvindo vozes. Não são seus amigos. O que você faz?

Chegando nas grades eu consegui escalar e pular elas, entretanto assim que eu pulei para fora do cemitério, meu perseguidor arrebentou as grades e me capturou. Nesse momento comecei a ouvir um monte de vozes sussurrando, elas me diziam para escolher, me diziam que eu tinha que ser uma boa pessoa, que eu não poderia ser egoísta, que eu precisava ajudar os outros, que eu precisava ser solidária.... Aquilo já estava me deixando tonta, e eu já estava abaixando a minha cabeça de cansaço, pronta para desmaiar. Entretanto, quando inclinei minha cabeça para baixo, vi que aquele monstro carregava consigo um facão nas suas calças, portanto movida por um impulso de adrenalina eu peguei o facão e amputei suas mãos que me seguravam pela minha camiseta....

*Bom, a essa altura você já amaldiçoou todos os seus amigos, a sua sorte e toda a sua árvore genealógica. Qual o plano?

EU JÁ AMALDIÇOEI ESSES AMIGOS FILHO DA PUTA A MUITO TEMPO!.... Após escapar daquela "coisa", eu resolvi seguir em frente, pois saindo do cemitério era possível ver várias luzes, então eu deduzi que pudesse ser alguma vila, no qual eu poderia ir pedir ajuda e chamar a polícia...

*Em meio a seu desespero, você encontra um objeto que pode te ajudar. O que é, e como você vai usá-lo?

Durante o meu caminho até a vila eu encontrei outra pequena cabana, no qual estava bem mais deteriorada do que a anterior, mas resolvi entrar igual na esperança de achar algo. Assim que eu entrei observei que não havia mais nada ali, os móveis já estavam todos destruídos, porém ao fundo da casa haviam algumas tralhas no chão e lá eu consegui encontrar uma pequena adaga com a marca de uma cruz invertida em sua lâmina. Resolvi pegá-la, para usar em minha defesa, uma vez que devido ao susto eu sai correndo e deixei para trás o facão que usei para amputar as mãos do monstro...

*Em posse do seu plano e do seu objeto, você chega a um novo ambiente no local. Descreva o lugar.

Após caminhar alguns minutos eu cheguei em um novo local, mas aquilo que eu esperava ser uma vila era na verdade mais outro ambiente de rituais... As luzes eram na verdade de corpos em chamas que circundavam todo aquele lugar, ao centro havia mais outro círculo feito de sangue, e a minha direita tinham jaulas cheias de pessoas deformadas, umas já estavam mortas e as outras estavam completamente desfiguradas...

*Neste ambiente, você encontra um caderno, parece um diário. Como ele é?

~se de repente essa história virar algo alegrinho e brilhante, culpem a nova op /ed de Gintama, no qual estou ouvindo nesse momento~ Um pouco à frente da jaula, havia uma pequena mesinha circular com um livro muito velho e desgastado, ele possuía uma capa marrom e folhas amareladas, não era nada muito pomposo, para falar a verdade foi a coisa mais "normal" que eu havia visto naquela noite....

*Você eventualmente descobre que o diário foi escrito por você. Você está morto há 33 anos, e sua alma está presa ao local. Algo te impede de seguir adiante e, se você não descobrir o que te prende no mundo terreno, está fadado a repetir o mesmo ciclo todos os dias, por toda a eternidade. Qual a sua reação?

~Eu heim, que plot twist foi esse!? Confesso que adorei, mas ao mesmo tempo cagou todo o clímax que eu estava preparando shaushuashua Enfim, bora improvisar~ Assim que eu comecei a folhar as páginas do diário, percebi que elas narravam em detalhes todos os ocorridos da noite: O caminho escuro, os corpos nas plantações de soja, a minha tentativa de fuga, a minha perseguição, tudo estava descrito sob o meu ponto de vista.... Havia apenas uma única que coisa descrita no diário que era diferente: O convite! No diário estava escrito que ao invés de ser o meu amigo maçônico a fazer o convite, quem havia convidado os amigos era eu! Quem tida tido a ideia de visitar a cerimônia tinha sido eu! Quem estava agindo de maneira estranha e calma era eu!........ Eu era a pessoa "solidária", pois quem levou as devidas oferendas naquela noite para a cerimônia havia sido eu....

*Você consegue se lembrar o que te prende no plano terreno?

Foi dele q fugi
Com o tempo fui me lembrando do que havia ocorrido há 33 anos. Eu estava saindo da cidade, era a primeira vez que eu viajava sozinha de carro, entretanto quando eu parei num acostamento pra pegar algo que estava dentro do porta malas, ouvi um grito vindo de uma pequena estradinha de chão a minha direita. Resolvi seguir os gritos para tentar ajudar quem quer que estivesse com problemas, portanto percorri a estradinha de chão batido até chegar na mesma ponte e no mesmo lugar, e lá eu encontrei o primeiro círculo, mas sem os corpos, havia apenas o pentagrama fracamente marcado no chão e logo atrás a estaca em forma de cruz invertida com o crânio do bode... Assim que eu pisei no círculo uma voz sussurrou no meu ouvido "Você é uma pessoa egoísta ou solidária!?.... Se você for alguém solidário irá me trazer sangue através de várias oferendas, mas se você for alguém egoísta e não me trouxer ninguém, pagará esse egoísmo com o seu sangue...." A partir daí essa voz ficou sussurrando constantemente no meu ouvido até eu enlouquecer: "Você não é igual aos traidores da maçonaria, você me trará as oferendas, certo!?"  Como resultado eu convidei meus amigos para um "passeio" e os ofereci para aquela voz em troca da minha vida.... Mas no momento em que eu vi eles sofrerem, acabei me arrependendo da minha escolha e tentei salvá-los, mas já era tarde demais e eu acabei virando um sacrifício junto com meus amigos.... E até hoje esse arrependimento me prende em terra....

*Havia algo com você no meio da história. Está de volta. Você pode fugir ou interagir. Tomada a sua decisão, o que acontece?

Depois que eu terminei de ler o diário, percebi que o monstro de antes havia voltado, porém dessa vez eu não estava com medo dele, pois eu me lembrava daquele rosto mesmo desfigurado... Após a morte minha e dos meus amigos, eu acabei ficando presa no plano terrestre, entretanto mesmo com as nossas mortes continuaram aparecendo mais vítimas, aquelas vozes sempre conseguiam sussurrar e chamar novas pessoas. E por mais que eu tentasse impedir, ninguém me ouvia, ninguém me notava. Porém, uma delas conseguiu ignorar esses sussurros e ao invés de ouvir aquela força maligna, conseguiu ouvir o meu pedido de ajuda, a partir daí essa pessoa enfrentou junto comigo o mesmo ciclo repetidas vezes, sempre correndo atrás de mim para tentar me fazer lembrar do que eu já havia esquecido. Mas agora que eu me lembrava de tudo sabia que poderia contar com sua ajuda, então obviamente me aproximei da criatura para dizer obrigada e pedir por sua ajuda uma última vez.....

*Você está caindo. O que está acontecendo?!

~Isso Shana... CAGA NOVAMENTE COM O MEU CLÍMAX! PQP depois desse post eu vou exigir um prêmio, porque tô ferrando minha cabeça pra fazer as minhas ideias terem sentindo com esse roteiro~ Ok.... Assim que eu terminei de agradece-lo tudo ficou escuro e eu comecei a cair. Todo cenário ao meu redor foi desaparecendo e minhas lembranças começaram a ficar confusas novamente.... Ah... Era mais outro ciclo que se encerrava.... Novamente eu não tinha conseguido a tempo.....

*Você acordou na sua cama. São 5:55 da manhã. Foi tudo um sonho?

Acabei acordando com uma forte dor de cabeça, parecia que eu estava me esquecendo de algo muito importante, eu tinha a sensação de ter tido um sonho muito estranho, porém por mais que eu tentasse eu não conseguia me lembrar de nada... Espera.... Foi realmente um sonho!?.... Eu estava muito confusa, pois uma parte de mim sabia que não era um simples sonho, mas a outra parte queria ignorar qualquer resquício sobre isso...

*Você começa a seguir sua rotina. Há uma sensação de deja vu. O que você está pensando?

Enfim, depois que de acordar e decidir que não valia a pena ficar refletindo profundamente sobre um sonho, resolvi começar a minha rotina, aliás, eu estava muito animada nesse dia, pois meus amigos haviam me chamado para sairmos a noite, e já fazia um tempinho que eu não os via...

*Você acaba de descobrir algo relevante para a história. Nos conte!

~Ah, ótimo... DEPOIS QUE EU JÁ TAQUEI TODAS AS COISAS RELEVANTES TU ME PEDE ISSO!?~ Assim que começou a escurecer fui me encontrar com os meus amigos, porém ao invés de irmos ao cinema ou shopping, um dos meus amigos fez o convite para irmos assistir um ritual satânico....Aquela cena não me era estranha, aquele convite.... Eu já tinha ouvido ele várias vezes.... Ah, é claro.... Não era apenas um sonho, era mais outro ciclo que começava.... Essas eram as novas oferendas, no final o que estava escrito no diário era apenas uma de minhas pequenas ilusões: Eu nunca estive arrependida, eu nunca me senti culpada por ter entregado os meus amigos como oferenda. Naquela noite, quando eu iria dar o golpe final no último amigo que ainda estava em pé, o mesmo acabou me levando junto com eles, minha alma ficou atada a esse maldito contrato, pois não levei a quantidade suficiente de sacrifícios.....

*Com a sua descoberta, a história tem um plot twist (reviravolta). O que está acontecendo agora?

No final, o que me mantinha no plano terrestre não era o meu arrependimento, mas sim, a minha vontade de encerrar esse contrato de uma vez, eu queria me livrar daquelas vozes que nunca paravam de sussurrar no meu ouvido, portanto durante esses 33 anos eu vim repetindo o mesmo ciclo incontáveis vezes para reunir o número suficiente de sacrifícios que pudessem me libertar desse inferno. Para isso as vozes me enviaram um "observador", uma criatura desfigurada, muito grande e com passos pesados, no qual iria cuidar e impedir qualquer tentativa de fuga, tanto dos sacrifícios quanto a minha própria fuga, impedindo que eu quebrasse o contrato. Sim, aquela criatura nunca foi meu aliado, ele desde o início foi o meu perseguidor. Portanto, eu só tinha uma opção: Continuar com o ciclo...

*Você está de volta ao local. Explique.

Portanto, novamente eu levei meus "amigos" para o mesmo lugar de sempre, para que mais um ciclo fosse iniciado, na esperança de conseguir me livrar do contrato que me prendia ao plano terrestre...

*Você precisa realizar uma ação. Qual?

Assim que chegamos inventei uma desculpa qualquer para fazê-los se posicionarem no círculo marcado com sangue, expliquei que tudo não passava de uma brincadeira baseada naqueles testes de coragem. Eu precisava que todos ficassem dentro do círculo, pois era necessário que o sangue deles banhasse as marcações para que eles fossem devidamente oferecidos como sacrifícios. Portanto, pedi para que todos vendassem os olhos e virassem de costas para mim, a partir daí peguei a minha adaga com a marca de cruz invertida em sua lâmina, e cravei silenciosamente em cada um deles, cuidando para que o sangue de todos escorresse dentro do círculo....

*Depois de tudo, você só consegue pensar em uma coisa: o que é?

Quando o sangue começou a escorrer dos corpos eu só conseguia pensar se finalmente esse ciclo chegaria ao fim, se eu conseguiria me livrar daquelas vozes que não paravam de sussurrar no meu ouvido... Eu só queria me ver livre de tudo isso logo....

*Parabéns! Você chegou ao final. Você sobreviveu?

Depois de um tempo divagando eu percebi que as vozes haviam parado, finalmente tudo estava em silêncio... O fogo que queimava os corpos começou a se espalhar por todo o lugar, queimando as plantações de soja, a velha cabana, o cemitério, e os corpos dos meus amigos, era como se o fogo estivesse apagando todos os rastros do que havia acontecido ali, como se dissesse "O contrato está devidamente encerrado".... Dessa vez eu consegui a tempo!

*Tem certeza?

~SIM ABSOLUTA CERTEZA, TAMU 33 ANOS NESSE RAMO DE SACRIFÍCIOS, EU JÁ MANJO E JÁ FIZ ISSO POR MUITO TEMPO~

*Mesmo, mesmo?

~COM CERTEZA! NUNCA OUVIU EM APOSENTADORIA!? PQP 33 ANOS TRABALHANDO DURO PRA CONSEGUIR OFERENDAS, ACHA QUE ESSA VIDA É FÁCIL!? ACHA QUE SANGUE DÁ EM ÁRVORE!? EU TRABALHEI IGUAL ESCRAVA JÁ TÁ NA HORA DE ME APOSENTAR~

*Você se depara mais uma vez com o diário. O que está escrito?

~Parabéns a sua aposentadoria foi aceita!~....... Ok, vamos encerrar isso de forma bonetenha: Entretanto, apenas uma coisa não foi queimada pelo fogo: O diário. Resolvi abrir ele para registrar o fim do meu ciclo, entretanto todas as páginas que tinham sido escritas agora estavam em branco. Folhei quase todo o diário e não havia mais nada anotado......Porém, assim que eu cheguei na última página encontrei uma frase "Ainda não acabou".....

*Com o que você descobriu, coloque um fim nessa estória, de uma vez por todas!

O fogo foi se apagando aos poucos, revelando um novo pentagrama, uma cabana nova, um cemitério com túmulos vazios, e logo após as vozes voltaram a me assombrar "Agora é sua vez, busque o seu próprio sangue"... Eu ainda estava presa ao ciclo... Não, dessa vez não era o ciclo, dessa vez era eu mesma! Depois de tirar tantas vidas a minha alma já estava corrompida, ela ansiava por mais sangue, a partir de agora as oferendas serão minhas, o sangue será para satisfazer a minha alma, portanto: Quem das minhas raposinhas sensuais será o meu próximo sacrifício!?


Eu quero ouvir um grito de ALELUIA! ABENÇOADO SEJA ESSE MEU CÉREBRO QUE ME PERMITIU TERMINAR ESSA HISTÓRIA! PQP, confesso que não foi fácil, no início até tava de boas, mas aí o roteiro da Shana RESOLVEU FUDER COM O MEU CLÍMAX E MINHA CRONOLOGIA DA HISTÓRIA e eu tive que improvisar e rebolar muito para colocar as minhas ideias em harmonia com esse roteiro! Enfim, antes que vocês fiquei preocupados: Eu NÃO tenho nenhum tipo de problemas psicológicos, ok! Toda essa história foi baseada nas minhas experiências com Outlast, em específico com o jogo 2, onde rola mais satanismo e talls! A única coisa que não vi no game foram corpos em chamas (pelo menos até o pedaço que eu joguei), aliás, tá aí uma das coisas que tá faltando em Outlast: Corpos em chamas! E antes que vocês saiam daqui achando que maçonaria é coisa do capeta: Maçonaria NÃO é satanismo, ok! ´Não é oferecido absolutamente nada, não ocorrem pactos de sangue, não é uma sociedade que trabalha para o capeta ok! Então é isso, espero que tenham gostado da história, pois eu me diverti muito montando ela (apesar de alguns imprevistos com esse roteiro), feliz dia das bruxas para as minhas raposinhas sensuais, e até o próximo surtinho marotex!

Sorry pelo textão corrido!

Um comentário:

  1. ... VAI INDICANDO AS PESSOAS PROS MEME DO CAPIROTO E ACHANDO QUE A VINGANÇA NÃO VIRÁ
    ELA VEM
    TEM MAIS É QUE REESCREVER A HISTÓRIA TROCENTAS VEZES MESMO!
    MWAHAHAHAHAHAHHA

    *desaparece numa nuvem de fumaça laranja e roxa*

    ResponderExcluir